Sonic, Mega Man e My Litttle Pony traduzidos para o português!

Sonic pertence a SEGA. Mega Man pertence a CAPCOM. My Little Pony pertence a HASBRO. Quadrinhos de Sonic e Mega Man por Archie Comics. Quadrinhos My Little Pony por IDW Publishing.
Friendship is Magic Mangá por Mauroz. Doki Doki Harmony por Ryuma Mikado.

Wednesday, April 27, 2011

Sonic CD

 


Pro­du­zido por outro time pouco tempo depois de Sonic 2, Sonic CD che­gou um ano depois as lojas em todo mundo. O jogo foi lan­çado para o drive de CD-ROM de Mega Drive, o Sega CD, um console/acessório que nunca gozou de muita popularidade.


Todas as séries gran­des, sem­pre aca­bam ganhando um “irmão esqui­sito”, den­tre os conhe­ci­dos estão vários títu­los com o número 2: Super Mario Bros. 2, Zelda  Adven­ture of Link, Final Fan­tasy 2, Cas­tle­va­nia Simon’s Quest… e o irmão esqui­sito da série clássica de Sonic é este.




[caption id="attachment_945" align="aligncenter" width="540" caption="estas máquinas devem ser destruídas para limpar as zonas"][/caption]

A Pro­du­ção - Com o pro­ble­má­tico Yuji Naka e os mais impor­tan­tes mem­bros do Sonic team tra­ba­lhando nos Esta­dos Uni­dos, o time da SEGA do Japão ten­tou criar um jogo do Sonic sem seus prin­ci­pais pla­ne­ja­do­res e pro­gra­ma­do­res. Do time ori­gi­nal de Sonic 1, só estava pre­sente Naoto Oshima, o cri­a­dor dos per­so­na­gens. Ini­ci­al­mente, Sonic CD seria Sonic 2, e seria adap­tado para todos os con­so­les da SEGA, incluindo os de 8 bits (tal­vez isso expli­que a música do Sonic CD na Green Hills no Sonic 2 de Mas­ter).  Mas, durante o desen­vol­vi­mento o jogo seguiu um cami­nho dis­tinto e mudou de nome para CD Sonic e no final Sonic the Hed­gehog CD.


Roteiro - Dessa vez, o local da aven­tura se chama Never Lake. Uma vez por ano, um pequeno pla­neta fica visí­vel nos céus de Never Lake, e neste pla­neta estão escon­di­das sete gemas cha­ma­das Pedras do Tempo, capa­zes de qubrar as bar­rei­ras do pas­sado e do futuro. Sacou a seme­lhança? Dis­posto a con­ti­nuar sua busca malé­fica por poder Dr. Egg­man Robotnik ini­cia seu ata­que a Never Lake, mas devido ao pequeno número de ani­mais no local, ele resolve usar flo­res(?!?!) como fonte de poder de seus robôs.




[caption id="attachment_946" align="aligncenter" width="540" caption="Metal Sonic sequestrando Amy"][/caption]

Sonic, sabendo o que está acon­te­cendo na região, parte para sua heróica mis­são. Na sua cola, segue Amy Rose, sua fã nº.1, uma garota ouriço de ape­nas 12 anos que tam­bém está apai­xo­nada pelo herói. Egg­man per­ce­bendo a pre­sença da pequena manda sua malé­fica imi­ta­ção de Sonic, o Metal Sonic, usá-la como isca para que Sonic não atra­pa­lhe seus planos.


Sobre o Jogo - Gra­fi­ca­mente o jogo lem­bra demais Sonic 1, parte dos spri­tes foi rea­pro­vei­tado de lá, assim como a joga­bi­li­dade. O jogo se divide em 7 zonas:

  • Palm­tree Panic — Estilo Green Hill

  • Col­li­sion Chaos — Uma cidade, estra­nha­mente cheia de flip­pers de pin­ball e bolhas.

  • Tidal Tem­pest — Estilo Labirinth

  • Quartz Qua­drant — Uma caverna toda for­mada por pedras de quartzo

  • Wacky Work­bench — Uma das mais difí­ceis fases do jogo, uma fábrica cheia de pla­ta­for­mas que fazem Sonic sal­tar extre­ma­mente alto, dei­xando tudo confuso.

  • Star­dust Spe­edway — Uma pista de cor­rida notur­na, ­onde acon­te­cerá o desa­fio de velo­ci­dade de Sonic e Metal Sonic para liber­tar Amy

  • Metal­lic Mad­ness — A base de Eggman.


[caption id="attachment_947" align="aligncenter" width="540" caption="pra quem tem pavor de fases de águas, o chefe dessa é dentro dela"][/caption]

 

Mas há uma novi­dade maior durante as fases, são as pla­cas de via­gem no tempo que são aci­o­na­das girando-as e ace­le­rando Sonic o máximo que puder. Cada zona tem 3 fases, e, para con­se­guir lim­par as zonas, Sonic deve ir até o pas­sado dessa zona nos dois pri­mei­ros atos e pro­cu­rar uma certa máquina e destruí-la. Fazendo isso, a zona 3 será o des­tino defi­ni­tivo da Zona, e estará limpa ou total­mente poluída de acordo com o resul­tado da busca pela máquina. O inte­res­sante é que o visual e estru­tura das fases varia de acordo com a época em que se está jogando, assim como a tri­lha sonora. Mas isso nos leva ao pri­meiro con­tra do jogo, onde as fases mui­tas vezes tem sua estru­tura feita de forma bizarra, com itens pre­sos nas pare­des com a mudança tem­po­ral, com o Sonic sendo jogado de uma lado para ou outro de forma sem sen­tido e mui­tas vezes com as fases pare­cendo mal pla­ne­ja­das prin­ci­pal­mente se com­pa­rar­mos a ver­sões anteriores.


Mas, para man­ter as zonas lim­pas defi­ni­ti­va­mente, além de des­truir as máqui­nas  é pre­ciso ter todas as jóias até o fim do jogo. Como em jogos ante­ri­ore, o Spe­cial Stage está lá para isso, mas entra­mos no fator bizarro mais uma vez: aqui seu obje­tivo é des­truir dis­cos voa­do­res (?!?!) num ambi­ente semi-3d. É um tanto difi­cil cal­cu­lar o pulo de Sonic para des­truir os dis­cos, vai ser neces­sá­rio muita prá­tica. Atente que quando Sonic pisa na água o tempo começa a ace­le­rar e o Spe­cial Stage vai se per­dendo muito rápido.


 




[caption id="attachment_948" align="aligncenter" width="540" caption="Special Stage"][/caption]


Polê­mica na Tri­lha Sonora - Como expli­car isto? A tri­lha sonora do jogo na aber­tura, nas vinhe­tas e  nos tem­pos pre­sente e futuro foi com­ple­ta­mente modi­fi­cada da versão americana pra nipônica. Vamos por partes -

Ver­são Japo­nesa — Aqui a tri­lha sonora foi assi­nada por Nao­fumi Hataya e Masa­fumi Ogata que tem diver­sos tra­ba­lhos inte­res­san­tes den­tro da pró­pria SEGA, jogos como Nights e Ris­tar são alguns dos tra­ba­lhos deles. As músi­cas dos vídeos de aber­tura e encer­ra­mento ” You Can Do Anything” e “Cos­mic Eternity(Believe in Your­self)” são can­ta­das pela can­tora de J-Pop Keiko Utoko e sua banda “Mi-ke” que mis­tura J-Pop com hiphop . A banda par­ti­ci­pou tam­bém do game de sucesso musi­cal da Enix “Bust a Gro­ove”, e no anime “Hamlin’s Vio­li­nist”. SONIC CD, ver­são japo­nesa é uma belís­sima tri­lha sonora que faz juz a qua­li­dade musi­cal de toda a série Sonic. A versão européia manteve a trilha sonora japonesa.


Ver­são Ame­ri­cana - Aqui a coisa não fica tão legal assim. A tri­lha sonora, exc­luindo as fai­xas do pas­sado, foi toda modi­fi­cada por Spen­cer Nil­sen, res­pon­sá­vel pela tri­lha sonora dos jogos do gol­fi­nho Ecco, e de algu­mas mar­cas licen­ci­a­das como Bat­man Returns e Juras­sic Park. Spen­cer fez um sound­track com algu­mas fai­xas inte­res­san­tes, mas mui­tas vezes não com­bi­nam com a fase que foi pla­ne­jada e fogem muito do estilo musi­cal da série. As músi­cas can­ta­das fica­ram por conta da banda Pas­ti­che, Sandy Cres­s­man, Jenny Melt­zer e Becky West que fize­ram a mesma música com arran­jos dife­ren­tes para aber­tura e encer­ra­mento, “Sonic Boom”, que é uma faixa um tanto repetitiva.


 Con­clu­são - Como foi men­ci­o­nado, o SEGA CD nunca foi muito popu­lar, e este foi o prin­ci­pal motivo do Sonic CD ter se tor­nado um título “under­ground”. Mesmo assim, os títu­los da série Lunar e este Sonic CD estão entre os mais conhe­ci­dos e que­ri­dos jogos do console/acessório. O jogo pode ter falhado em alguns aspec­tos, mas cum­priu seu papel de ser uma genuína con­ti­nu­a­ção do Sonic ori­gi­nal, espe­ci­al­mente jogando a ver­são japonesa.


Curi­o­si­da­des


  • A qua­li­dade de repro­du­ção de vídeo do SEGA CD não era grande coisa, e os fil­mes de aber­tura e encer­ra­mento, fei­tos pela TOEI Ani­ma­tion, fica­ram com bai­xís­sima qua­li­dade. Para o relan­ça­mento do jogo nos con­so­les de 128 bits, os videos man­ti­ve­ram a qua­li­dade ori­gi­nal da TOEI e foram remasterizados

  • O manual de ins­tru­ções da ver­são ame­ri­cana tam­bém sofreu diver­sas modi­fi­ca­ções, usando nomes de locais e per­so­na­gens do car­toon de Sonic, por exem­plo Amy Rose virou Prin­cesa Sally, mas a aparência da personagem não foi modificada.

  • Tails não apa­rece no jogo, mas há um tru­que para ver ima­gens dele

  • Comercial e vídeos:








 



No comments:

Post a Comment